Por Favor, sintam-se à vontade para comentar, gostaria muito mesmo de saber qual a opinião de todos sobre o conteúdo e as perguntas do Quiz!
Poste um comentário com sua opinião para contribuir com o crescimento do Blog (críticas, sugestões....) Para contato: saradallalba@gmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Porto Alegre, RS, Brazil
Estudante de Fisioterapia, tenho um amor maior que tudo por minha família e amigos, agradeço à Deus por minha vida e por cada instante que vivo e já vivi. Aproveito intensamente cada minuto mas sem deixar de lado a tranquilidade. Estou no mundo para aprender e com certeza faço disso minha vida.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Esquizofrenia

ESQUIZOFRENIA

O QUE É
  • Desorganização ampla dos processos mentais.
  • Apresenta sinais e sintomas na área do pensamento, percepção e emoções


      • Encarada não como doença, mas sim como um transtorno mental, podendo atingir diversos tipos de pessoas, sem exclusão de grupos ou classes sociais. 
  •     Atinge 1% da população mundial, manifestando-se habitualmente entre os 15 e os 25 anos, com proporção semelhante entre homens e mulheres, podendo igualmente ocorrer na infância ou na meia-idade.








ESQUIZO: DIVISÃO  PHRENIA: MENTE








Recentemente, identificou-se o envolvimento de vários genes que codificam proteínas da matriz sináptica na gênese desta doença. Embora a etiologia da esquizofrenia ainda não seja completamente conhecida, hoje a doença é considerada conseqüência de diversos distúrbios do SNC. Desta forma, diversas hipóteses envolvendo dopamina, serotonina, glutamato, neuropeptídeos ligantes de receptores muscarínicos, adenosina, sítios de ligação sigma e fosfolipase A2 têm sido propostas na tentativa de melhor compreender a fisiopatologia da doença. De modo geral, em um quadro esquizofrênico típico as funções cognitivas e emocionais encontram-se alteradas em função de modificações da resposta dopaminérgica.


COMO SE DESENVOLVE


  • Fatores biológicos,
  • Fatores genéticos
  • Fatores ambientais ambientais
  • Genética 
  • Início repentino e eclosão em uma crise exuberante
  • Início lento sem apresentar mudanças extraordinárias, e somente depois de anos surgir uma crise característica.
  • Durante a adolescência ou quando adulto jovem


SINTOMAS


  • O quadro clínico pode ser bem heterogêneo e os sintomas se caracterizam por 4 grandes grupos:
    • Sintomas Positivos, que 
      se referem às formas distorcidas ou exageradas de atividade normal, como por exemplo:

  • ilusões
  • alucinações
  • discurso desorganizado
  • atividades motoras sem propósito ou falta de atividade (conhecida como comportamento catatônico)

  • Sintomas Negativos, que
    • se referem aos que apresentam ausência de comportamentos normais, como por exemplo:
    •     não conseguir expressar ou sentir emoções
    •     não sentir prazer na vida
    •     apresentar uma atitude de apatia geral
    Alguns classificam os sintomas negativos como sendo cognitivos ou relacionados àatenção (em inglês) e à memória. Os sintomas cognitivos são:
    •      falta de atenção
    •      falta de habilidades de memória
    •      incapacidade de planejar ou organizar
  • Alterações Cognitivas
  • Alterações na afetividade.
  • O convívio na Sociedade


COMO O MÉDICO FAZ O DIAGNÓSTICO


  • Entrevista com o paciente e sua família  

  • Existem evidências de alterações da anatomia cerebral demonstráveis em exames de neuro-imagem
  • e de metabolismo cerebral sofisticados como a tomografia computadorizada, a ressonância magnética, entre outros.
  •          Identificação



    • Atualmente, segundo o DSM IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 4º Ed. texto revisado), existem cinco tipos:


            - Paranóide
      - Desorganizado

      - Catatónico

      - Indiferenciado


      Residual

      - Hebefrênica

    DISFUNÇÕES
    • Alterações neurofuncionais
      : Hemisfério Esquerdo do Cérebro e má comunicação entre os hemisférios cerebrais.
    • Alterações neurotransmissores: Dopamina e  Seroronina.
    DOPAMINA
         Da família das catecolaminas, é sintetizada pelo tecido nervoso e medula das adrenais. É considerado neurotransmissor e intermediário de biossíntese noradrenalina e adrenalina. Controla:

    • Comportamento e cognição
      • Movimento voluntário
    • Motivação e recompensa
    • Inibição da produção de prolactina
    • (envolvidos na lactação)
    • Sono, humor, atenção e aprendizado
    • Tônus muscular
    • Postura
    • Coordenação motora



    ESQUIZOFRENIA - DOPAMINA


    • Maior atividade da enzima dopa-descarboxilase, que aumenta a liberação da dopamina na fenda sináptica.
    • Dopamina é o agonista
    • endógeno dos cinco sub-tipos de receptores dopaminérgicos conhecidos (D1-D5).
      • Em esquizofênicos, ocorre superprodução de dopamina e aumento de receptores D2 na membrana pós-sináptica.


    CONVÍVIO SOCIAL
    • Hoje, muitas pessoas com diagnóstico de esquizofrenia vão à escola, trabalham, casam-se e têm filhos. Proporcionando um ambiente acolhedor, medicação apropriada, tratamento e incentivo, podemos capacitar pessoas com esquizofrenia a serem membros produtivos de nossa comunidade.
    • Contudo, representações negativas de pessoas com esquizofrenia na televisão, cinema e outros meios de comunicação, continuam a perpetuar o estigma e piorar ainda mais a discriminação.
    • Tratando-se tais dificuldades, normalmente derivadas do isolamento social, a família pode ajudar incentivando a participação dos portadores nas mais diversas formas de atividades voltadas à ressocialização, tais como a freqüência a centros de convivência, lazer e cultura, grupos de auto-ajuda etc. 


    TRATAMENTO

            Medicamentos antipsicóticos: antagonistas da dopamina, usados ​​no tratamento dos sintomas positivos da esquizofrenia, embora os mais velhos, os chamados antipsicóticos "típicos" mais comumente agem sobre os receptores D2, enquanto as drogas atípicas também agir sobre os receptores D1, D3 e D4            Os antipsicóticos clássicos como clorpromazina, haloperidol e sulpirida : Afinidade receptor D2

    • Os antipsicóticos atípicos como risperidona e clozapina
    • possuem maior afinidade pelo receptor D4
    • Acompanhamento médico regular, pois como a doença progride é necessário que o médico psiquiatra modifique as dosagens dos medicamentos











    AÇÃO DOS MEDICAMENTOS


    • 80% dos receptores D2 bloqueados.
              • ž
    • Neurolépticos atuam nos receptores serotoninérgicos, acetilcolinérgico, histamínico e noradrenérgico bloqueando a ação da dopamina. São drogas  sintomáticas, elas não têm a função de curar uma doença psíquica. Podem sedar o paciente fortemente, mas também melhorar a capacidade de concentração e de fala. Em algumas ocasiões, agem antipsicoticamente, e com efeito calmante.





      • EFEITOS COLATERAIS NEUROLÉPTICOS/ANTIPSICÓTICOS
      -Apatia
      -Redução das respostas emocionais
      -Redução da iniciativa
      -Sedação
      --Efeitos Extrapiramidais:
      1.Movimentos Espamódicos
      2.Parksonismo
      3.Acatisia
      4.Discenia Tardia
      5.Síndrome Neuroléptica
      6.Efeitos Autonômicos


    •   


    ž BR: 1.170.000 pessoas sofram de esquizofrenia e cerca de 80.000 novos casos surgem  anualmente


    Participantes do Estudo: Débora Walther; Lenise Tayana Passamani; Sara Dall'Alba


    Nenhum comentário:

    Postar um comentário